A cidade anti-tourada vai receber mais um espectáculo

viana antitouradaSábado

Reunir em Viana do Castelo o “maior número” de activistas dos direitos dos animais para traçar um plano contra as corridas de touros na cidade, a primeira anti-touradas do país, é o objectivo de um movimento cívico local. Em declarações hoje à agência Lusa, a porta-voz do grupo anti-touradas de Viana do Castelo, Ana Macedo, adiantou que a reflexão irá acontecer num debate, no próximo sábado, sobre os direitos dos animais, centrado “no inferno que a cidade vive desde há quatro com o regresso das corridas de touros”.

“A única forma de resolver este problema é falando e tentar traçar um plano que nos permita fazer algo mais do que tem sido feito. Vem aí uma tourada e temos e temos que nos unir e pensar todos juntos o que podemos fazer para a evitar”, afirmou. Continuar a ler

Campanha europeia para proibir testes em animais para produtos de higiene doméstica

cobaiaPúblico

A campanha promovida pela Coligação Europeia para a Abolição das Experiências com Animais (CEAEA), da qual faz parte a Animal, pretende colocar a questão dos testes em animais para produtos de higiene doméstica na agenda política da União Europeia (UE), tendo como “objectivo final” a “proibição europeia destes testes”. Para isso, pretende angariar o apoio de eurodeputados, da Comissão Europeia e dos Governos dos vários estados-membros, refere a associação portuguesa em comunicado.

A Animal lembra que em Março de 2013, “depois de 20 anos de lobbying”, a coligação europeia liderou, com sucesso, a campanha pela proibição do uso de animais em experiências com fins cosméticos na UE. “O nosso objectivo agora é conseguir o mesmo com os produtos de higiene doméstica”, afirma Rita Silva, da Animal, sublinhando que “coelhos, porquinhos-da-índia, hamsters, ratos e outros animais sofrem e morrem para testar ingredientes que todos os dias se usam em detergentes da louça, da roupa, ambientadores e sprays de limpeza para a casa de banho. Continuar a ler

Petição: Em Defesa da Avifauna Açoriana

77361_1Petição Pública

Para: Governo Regional dos Açores, Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores, Comissão Europeia, Parlamento Europeu, UNESCO

Pela conciliação da proteção das espécies com uma exploração agrícola sustentável.

O Governo Regional dos Açores decidiu permitir pela primeira vez o abate de três espécies de aves protegidas dos Açores: o Pombo-torcaz, o Melro-preto e o Estorninho, em zonas de cultura da vinha das ilhas do Pico e da Terceira (Despachos n.º 378/2015 e n.º 1057/2015). Face a esta deliberação, vimos manifestar o seguinte: Continuar a ler

O dentista que matou o leão errado

leao leoesPúblico

Por Ricardo Garcia

Aos 55 anos, o dentista norte-americano Walter James Palmer nunca imaginaria vir a ser tão conhecido. O seu nome tornou-se numa das hashtags mais citadas no Twitter e no Facebook. Na página da sua clínica River Bluff Dental no site Yelp, subitamente surgiram milhares de comentários. A própria clínica em si, na avenida Rhode Island, em Bloomington, Minnesota, promete tornar-se num local de peregrinação. Um artista dedicou-lhe, ali mesmo, uma pintura nesta quarta-feira.

Palmer não deverá, porém, aparecer publicamente tão cedo, para responder a este súbito interesse. O dentista é alvo de uma fúria colectiva por ter matado Cecil, o majestático leão de juba preta que era a atracção número um do Parque Natural de Hwange, no Zimbabwe. Continuar a ler

A queima do gato

RuiPereiraCorreio da Manhã

Por Rui Pereira, Professor Universitário

Apresento uma declaração de interesses: gosto de animais em geral e de gatos em especial. Tal como Borges, creio que o gato é um sinal de indulgência dos deuses: a réplica de um tigre, cujo dorso “condescende à morosa carícia da minha mão”. Por isso, fiquei chocado com a notícia de que em Vila Flor, no “nosso” Trás-os-Montes, há quem se divirta queimando um gato vivo. Se é tradição, comprova-se mais uma vez que há tradições que merecem ser extintas.

Conheço bem o vasto arsenal de argumentos contra o reconhecimento dos direitos dos animais: não têm personalidade jurídica e não podem estar vinculados a deveres; fazem parte da nossa cadeia alimentar (pelo menos, da maioria); só alguns suscitam sentimentos de compaixão – sim, os cães, os gatos e os cavalos, mas não tanto os répteis, os insetos ou os peixes; e são um pretexto para nos esquecermos da solidariedade que devemos aos nossos semelhantes. Continuar a ler

Enfermeiro da Guarda fez filme sobre interação com animais na promoção da saúde mental

psiObservador

Um enfermeiro da Guarda, especialista em Saúde Mental e Psiquiatria, realizou um documentário sobre a promoção da saúde mental, que explica a importância da interação com os animais para os doentes conseguirem o equilíbrio na sua vida.

O documentário “Umbra” foi realizado e produzido por Pedro Renca, enfermeiro especialista em Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiatria no Departamento de Psiquiatria e de Saúde Mental da Unidade Local de Saúde (ULS) da Guarda e mestre em Toxicodependência e Patologias Psicossociais, e aborda o relacionamento entre uma égua, Umbra, e a sua dona, Rute, e “o equilíbrio de saúde mental conseguido nesta interação”. Continuar a ler

GNR regista por mês seis crimes contra animais

GNRTVI

A Guarda Nacional Republicana (GNR), através do Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA), registou uma média de quase seis crimes contra animais por mês, no período entre outubro de 2014 e junho de 2015.

Em comunicado, a GNR anuncia que nesses nove meses recebeu 2.239 denúncias de maus tratos a animais, o que representa uma média de quase 248 denúncias por mês e cerca de oito por dia. Continuar a ler