Multinacional desiste de recorrer contra resgate de cães de Green Hill

beagleANDA

Por Natalia Cesana

A Marshall Farm, proprietária americana do criadouro Green Hill, desistiu de recorrer contra o resgate dos beagles e de reaver os cães. O comunicado oficial exultou toda a Itália.

As famílias responsáveis pelos animais agora podem respirar um pouco mais aliviadas e ver se distanciar a nefasta hipótese de devolver os cães à multinacional de vivissecção. Os mais de 2.600 beagles apreendidos em julho passado permanecem com as famílias adotivas e, muito provavelmente, para sempre.

O motivo que fez a Marshall desistir de lutar para ter de volta os cachorros não é conhecido. Consciência de que eles não teriam chance? Vontade de diminuir a atenção da mídia no caso Green Hill? Possivelmente. Ao menos são estas as hipóteses aventadas pelas associações em defesa dos animais. Continuar a ler

Vamos acabar com as touradas em 2013?

antitouradaExpresso

Por Tiago Mesquita

Inquieta-me viver num país em que as touradas, e tudo o que de profundamente repugnante e desumano a elas está associado, são um tema ainda visto com relativa neutralidade por grande parte da população. Uns são claramente contra, outros tentam justificar a sua continuidade, ignorando a questão principal – o sofrimento causado nos animais -, mas a maioria mantém-se neutra e equidistante. No meio da polaridade fica a indiferença, a maior aliada da crueldade e a pior inimiga da humanidade.

Essa maioria, que opta convenientemente por viver de olhos fechados, permite que uma minoria perpetue a barbárie nas praças espalhadas por este país fora. A maioria indiferente, a do “tanto me faz” e do “é-me igual”, acaba por dar luz verde a que milhões de euros sejam anualmente gastos pelo Estado, dinheiro de todos nós, promovendo e patrocinando o sofrimento de animais, através do financiamento da tauromaquia. Actividade que alguns, estranhamente, apelidam de “arte” (!). “Cerca de 16 milhões de euros em fundos comunitários, públicos e, sobretudo, locais, é o valor estimado de apoios às atividades taurinas.” Continuar a ler

A tauromaquia açoriana “é um bem cultural que deve continuar a ser apoiado”

PSDAzores Digital

Nota da redação: ficam aqui os argumentos dados por quem defende o esbanjamento de dinheiros públicos em touradas.

O PSD/Açores defendeu hoje a continuidade dos apoios oficiais às atividades tauromáquicas na Região, considerando-as “a maior manifestação cultural da Terceira, com um profundo enraizamento na Graciosa e em São Jorge, e que continua a crescer em outras ilhas da Região”, pelo que “não acompanhamos a contestação quando há retorno aos apoios à Tauromaquia no âmbito da economia, do turismo regional e do bem-estar social”, disse o deputado Luís Rendeiro.

O social-democrata falava durante a análise de uma petição que visava o fim dos apoios oficiais às atividades taurinas, na qual realçou que “a tauromaquia regional não é uma invenção nem uma importação, como alguns desfiles e paradas que por aí se promovem e apoiam. A Tauromaquia é de cá”, afirmou, lembrando a sua classificação “como Património Cultural Imaterial em Angra do Heroísmo, Praia da Vitória e, brevemente, em Santa Cruz da Graciosa”. Continuar a ler

BE não aceita apoios à tauromaquia quando estão a ser implementados cortes no apoio às pessoas

blocoBE Açores

A Representação Parlamentar do Bloco de Esquerda não aceita que a Região continue a financiar a tauromaquia com dinheiros públicos ao mesmo tempo que implementam políticas restritivas na Educação, Saúde, Solidariedade Social, Cultura, Transportes e Habitação. Esta foi a posição manifestada pela deputada Zuraida Soares no âmbito do debate, no parlamento, sobre uma petição pelo fim dos apoios públicos para a tauromaquia nos Açores.

“Não é aceitável, nem compreensível a insistência no apoio financeiro da Região à tauromaquia, enquanto atividade de interesse turístico e muito menos se percebe o apoio à tauromaquia como atividade cultural e não como um negócio privado que só não é ruinoso porque vive ‘à sombra’ de um alegado interesse público”, disse a deputada do BE. Continuar a ler

Petição Pela Abolição das Touradas e de todos os Espetáculos com Touros na Cidade do Porto

tourada invertidaSubscrever a petição

Considerando que:

– O animal é um ser que sofre, sente alegria e tristeza, fica nervoso, cria relações de amizade e de inimizade, brinca e gosta de ser acariciado, tem por vezes um grande sentimento de gratidão, sendo por isso considerado um ser senciente;

– Existem estudos vários que relacionam a prática e a aceitação da violência contra os animais com uma predisposição para a prática e a aceitação da violência contra seres humanos;

– Nos termos da Lei 92/95 (alterada pela Lei 92/2002) é proibida toda a violência injustificada contra animais, considerando-se como tal todos os atos desnecessários destinados a produzir a morte ou o sofrimento prolongado ou graves lesões a um animal; Continuar a ler

Movimento cívico que exige fim do dinheiro público nas touradas reuniu-se com Passos Coelho

antitouradaI

O movimento de cidadãos “Fim dos Dinheiros Públicos para as Touradas” manifestou hoje repúdio ao primeiro-ministro face aos cerca de 16 milhões de euros do Estado aplicados nas touradas.

“A tauromaquia é uma atividade vegetativa que não gera riqueza e é incapaz de subsistir por si própria. Não faz sentido que continue a ser beneficiada uma minoria e meia dúzia de famílias em detrimento de outras áreas carenciadas como a educação ou a saúde”, disse Inês Real, uma das porta-vozes da iniciativa, após reunião, na residência oficial do líder do Executivo, em São Bento.

Cerca de 16 milhões de euros em fundos comunitários, públicos e, sobretudo, locais, é o valor estimado de apoios às atividades taurinas, segundo estudo apresentado pelo referido movimento, vencedor da segunda edição de “O Meu Movimento”, no Portal do Governo, que gerou 324 iniciativas e 33 mil apoiantes. Continuar a ler