No domingo de Páscoa, mantenha chocolates bem distantes de cães e gatos

caoegatoCorreio da Bahia

Por Carmen Vasconcelos

Atire a primeira pedra quem nunca se rendeu àqueles olhinhos pedintes e cedeu a tentação de dividir com um pet uma guloseima. O hábito de compartilhar alimento com o pet, no entanto, pode oferecer riscos à saúde dos melhores amigos, especialmente nessa época do ano, quando o consumo de chocolate aumenta.

De acordo com a médica veterinária e especialista em nutrição Priscila Damasceno, da Clínica ReaBAvet, a ingestão de chocolate pode levar cães e gatos à morte. “Há uma substância no chocolate chamada de teobromina, que é tóxica para os animais e com conhecido efeito diurético, vasodilatador e estimulante do sistema nervoso central e do coração”, explica a veterinária.

A substância em questão é um alcaloide, primo da cafeína, que pode causar reações alérgicas, alterações cardíacas, convulsões e tremores. A quantidade de açúcar presente no produto também é prejudicial, uma vez que predispõe a cáries e outros problemas dentários.

A medicina acredita que são necessários cerca de 100 a 150 gramas de chocolate por quilo de peso do animal para causar uma intoxicação grave, mas um conjunto de sintomas como excitação, barriguinha distendida, taquicardia, espasmos musculares, vômitos, diarreia, aumento no consumo de água e da temperatura surgem com quantidades bem menores. Segundo Priscila Damasceno, isso ocorre porque eles têm maior sensibilidade à substância e como a metabolização é diferente da feita pelos  humanos, aumenta o tempo de circulação da teobromina na corrente sanguínea e tecidos, causando intoxicação. “Em casos mais graves, há convulsão e morte e os sinais clínicos podem começar cerca de duas ou quatro horas após a ingestão do chocolate”, explica a especialista.

Por isso mesmo, todo o cuidado é pouco na hora de esconder ovos de chocolate pelos jardins e casa, se houver pets em casa. A oferta, então, nem pensar. Chocolate apenas aqueles fabricados especialmente para os animais de estimação, que não possuem teobromina na composição. Feitos com extrato proteico vegetal, gordura vegetal, soro de leite e outros componentes não tóxicos para cães e gatos. “Mas a oferta não deve ser feita de qualquer forma e animais de pequeno porte não devem comer mais que seis unidades por dia. Já os de porte médio podem consumir até oito unidades e os grandes até 12 por dia”, ensina a médica, lembrando que esses são valores de referência do Chocodog.

Caso o seu animal tenha consumido acidentalmente e apresente os sintomas de mal-estar, a orientação da veterinária é procurar a assistência médica imediatamente para que os procedimentos de socorro possam ser prestados de acordo com a condição do pet. Priscila ressalta que a estratégia de  provocar vômitos deve ser utilizada com muita cautela. “Não deve ser opção de escolha, por exemplo, em animais inconscientes”, esclarece, lembrando que o profissional deve ser consultado para que seja adotado o melhor protocolo terapêutico, de acordo com o estado clínico do animal em questão. O tratamento para esse tipo de intoxicação pode incluir  lavagem gástricas, utilização de substâncias adsorventes, fluidoterapia, estabilização da função cardíaca, entre outros.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s