Teresa Romero perdeu Excalibur por receio do ébola e ganhou Alma

perro-excalibur--644x362JN

Teresa Romero foi contagiada com ébola depois de atender o missionário espanhol, Manuel Garcia Viejo, que viria a falecer no hospital Carlos III, em Madrid, em outubro de 2014. Passou 30 dias internada, muitos deles entre a vida e a morte, mas fica para a história como a primeira infetada na Europa a recuperar da doença, que tem uma elevada taxa de mortalidade.

O cão, Excalibur, não teve sequer hipóteses. Foi morto, por ordem da Comunidade de Madrid, por receio que estivesse infetado com o vírus do ébola, sem que fosse feita qualquer análise ao animal.

A morte de Excalibur gerou uma onde de contestação às autoridades sanitárias madrilenas e rendeu inúmeros apoios e mensagens de solidariedade à auxiliar de enfermagem, que considerava o animal “como um filho”.

Agora, quase três meses depois de ter alta hospitalar – a 5 de novembro de 2014 – Teresa Romero adotou um novo animal de estimação, uma cadela. “Espero que sirva de exemplo e que estes animais possam, como Alma, ter uma família e ser felizes”, disse, segundo um comunicado divulgado pelo município de Alcorón, em que reside o casal.

“Gostaríamos que a sociedade se desse conta e tomasse consciência de que há muitos animais abandonados que precisam de uma casa”, acrescentou o marido, Javier Limón, que esteve vários dias de quarentena, mas que não teve qualquer sintoma da doença.

O líder da autarquia de Alcorcón congratulou-se com a opção do casal em adotar um animal no Centro Integral de Proteção Animal do município, insistiu na necessidade de encontrar lares para os animais e ficou feliz com o destino de Alma. “Já se vê que está desejosa de ir para o novo lar, com Teresa e Javier”, disse David Peréz, no momento em que o animal foi entregue ao casal.

Continuar a ler

Brasil: Vereador quer trocar touro por ser humano

rodeioDiário Web

Um projeto de lei protocolado na Câmara de Mirassol propõe a substituição de animais em rodeios no município por “seres humanos” ou “touro mecânico”. A proposta é assinada pelo vereador André Luiz Guirado (PHS) e promete gerar polêmica na cidade. O parlamentar afirmou que apresentou o projeto com o objetivo de “chocar as pessoas e fomentar o debate sobre a realização de rodeios em Mirassol”.

De acordo com o artigo 4º da proposta, protocolada no dia 20 de janeiro, em eventos como touradas, prova do laço, montaria e pega do garrote “poderá ser substituído o uso do animal por touro mecânico ou ser humano”. Para o vereador, o uso do equipamento para apertar a virilha de touros, cavalos e éguas – conhecido como sedém – durante os rodeios pode caracterizar maus-tratos.

“Tudo isso é para chamar a atenção para um esporte de violência animal. É óbvio que ninguém vai montar em um touro mecânico ou em um ser humano”, afirmou vereador do PHS. Segundo ele, o ser humano – se fizesse as vezes do animal – teria condições de dizer se o animal sofre ou não ao ser amarrado com o sédem.

O projeto de lei será analisado pelos vereadores de Mirassol nas próximas sessões. Antes, porém, a proposta poderá passar por alterações com a apresentação de emendas. Guirado admite que terá dificuldade para manter no projeto o artigo que prevê a substituição de touro por pessoas, como propõe no projeto original. “Provavelmente não será aprovado. Não sei qual é a repercussão porque a Câmara está em recesso”, disse.

Em um dos argumentos para manter a proposta, ele cita que outras cidades, como de Araraquara, já proibiu a realização de rodeios. Outros municípios também aprovaram proibições semelhantes, que tem a simpatia das associações de proteção dos animais. Na região, são realizados os mais tradicionais eventos do País, como em Barretos – um dos maiores do mundo – que é realizado todos os anos em meados de agosto. Em Rio Preto, a Prefeitura apoia a realização do evento Rodeo Country Bulls, organizado pela Companhia Paulo Emílio.

Castigo

Além do sédem, o vereador de Mirassol afirmou que os animais seriam submetidos a outros tipo de castigos, como choques. O projeto de lei de Guirado prevê o pagamento de multa diária no valor de R0$ 100 mil pelo uso do sedém – equipamento que seria usado para que os animais fiquem agitados e pulem. Na justifica da sua proposta, o parlamentar afirma que os “animais sofrem na mesma proporção de um ser humano”.

“Além da dor, a prática de eventos e esportes que utilizam de ferramentas para divertimento do ser humano não se justifica”, consta na justificativa do projeto. O Diário tentou falar ontem com o presidente da Câmara, Daniel Sotto (PMDB), para saber a data prevista para a votação do projeto, mas ele não foi localizado . Continuar a ler

Acidentes com animais selvagens em maior número nas estradas municipais

javaliPúblico

A frequência de acidentes com javalis, veados e corços é maior nas estradas municipais, segundo um trabalho de pesquisa da Universidade de Aveiro (UA) que recomenda algumas medidas para reduzir esta sinistralidade.

“Devem ser aplicadas medidas de mitigação” nas vias em que se registam mais acidentes com estes animais ungulados, como “mais sinalização, construção de passagens para fauna e vedação das infra-estruturas”, entre outras, segundo o estudo a que a agência Lusa teve acesso. Continuar a ler

Oeiras ajuda donos de animais

cao gatoCorreio da Manhã

Quando o dinheiro que entra todos os meses em casa mal chega para pôr comida na mesa, muitas famílias optam por abandonar os animais de estimação para cortar nas despesas. Com o objetivo de combater esta tendência, a Câmara de Oeiras distribui comida e disponibiliza cuidados veterinários gratuitos a cães e gatos de famílias carenciadas. “Este projeto nasce por uma questão de saúde pública e controlo de produção. Entendemos que não é digno para os animais estarem nas ruas e, portanto, através de uma política de esterilização e prestação de cuidados médicos conseguimos controlar as questões de saúde pública”, explicou Nuno Neto, da Câmara Municipal de Oeiras, ao Correio da Manhã. Continuar a ler

Disparam queixas de maus-tratos de animais

cao tristeSol

Desde que entrou em vigor a lei que criminaliza os maus-tratos e o abandono de animais de companhia, em Outubro último, dispararam as denúncias às autoridades: em apenas três meses (até 17 de Dezembro), o Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente (SEPNA) da GNR recebeu 517 queixas.

Os dados avançados ao SOL pelo SEPNA mostram, aliás, que o total de participações mensais às autoridades quintuplicaram: se até Outubro o SEPNA recebia em média 41 denúncias por mês, a partir da criminalização passou a averiguar 197. Continuar a ler

Toureiros não podem exercer antes dos 16 anos

criança touradaNotícias ao Minuto

“Não se coloca a possibilidade de baixar a idade [do exercício da atividade tauromaquia] para 14 anos, porque a idade mínima para efeitos laborais está prevista nos 16 anos”, defendeu Jorge Barreto Xavier durante a reunião de hoje, na Assembleia da República, com o grupo de trabalho da proposta de lei do Governo que estabelece o regime de acesso e exercício da atividade de artista tauromáquico e de auxiliar de espetáculo tauromáquico.

A proposta de lei n.º 209/XII, disponibilizada na página da Assembleia da República na internet, estabelece que “os artistas tauromáquicos e os auxiliares devem ter a idade mínima de 16 anos”. Continuar a ler

Universidades e GNR avançam com o projecto para evitar acidentes com animais

javaliPúblico

O progressivo aumento no número de acidentes nas estradas nacionais provocados por animais silvestres, advertiu a GNR para a necessidade de avançar em parceria com as Universidades do Porto, Aveiro e Évora para o projecto “Preservar a fauna, prevenir a sinistralidade”.

O oficial de Comunicação e Relações Públicas da GNR de Évora, tenente-coronel Rogério Copeto, explicou ao PÚBLICO que só em 2014, o Comando de Évora da corporação “registou 112 acidentes com animais, 27 dos quais provocados por javalis”, o animal que mais acidentes tem causado nas estradas nacionais. Continuar a ler