Gato polaco faz companhia a animais doentes

img_472x263$2015_04_15_16_15_32_116934Sábado

Um gato na Polónia, que vive numa clínica em Bydgoszcz, tem feito companhia aos animais que estão doentes e a ser tratados. Entre dormir ou “fazer conchinha” aos animais, Rademenes já se tornou conhecido na comunidade.

Rademenes chegou à clínica depois de os seus donos detectarem uma infecção respiratória e recearam que estava demasiado doente para recuperar. No entanto, a veterinária Lucyna Kuziel-Zawalich conseguiu curar a infecção do gato e decidiu ficar com ele.

O gato é agora um elemento importante na equipa da clínica, uma vez que proporciona conforto e faz companhia aos outros animais que estão a recuperar dos tratamentos.

Anúncios

“CSI” chegou aos crimes contra animais

csiJN

Com os maus-tratos a animais a serem considerados crime há seis meses, a investigação forense tem sido cada vez mais chamada a ajudar na obtenção e análise de provas.

Anabela Santos Moreira, médica veterinária que se tem dedicado à investigação forense do mau trato animal, explicou à agência Lusa a utilidade desta área para que os autores dos crimes contra animais possam ser punidos.

“Todas as coisas que se fazem para investigação legal humana podem fazer-se com animais”, disse a veterinária, para quem “existe conhecimento em Portugal, mas não recursos”.

Segundo Anabela Santos Moreira, desde que a lei que criminaliza os maus-tratos animais existe há mais gente interessada em saber mais sobre investigação forense, nomeadamente veterinários, forças de segurança e judiciárias. Continuar a ler

Marcha em defesa dos animais juntou dezenas de pessoas na Praça do Comércio

Logo AnimalObservador

Dezenas de pessoas, algumas delas trazendo consigo os animais de estimação, manifestaram-se este sábado em Lisboa pedindo maior e melhor proteção para os animais em Portugal e alterações legislativas que permitam alcançar esse objetivo.

Promovida pela Associação Animal, a iniciativa, realizada na Praça do Comércio junto à estátua do rei D. José, contou com atuações de música e dança, bem como com intervenções de dirigentes de diversos grupos e associações de defesa dos direitos dos animais. Continuar a ler

Mais de 60% dos animais do canil do Porto são adoptados, mas nem sempre são salvos

caoPúblico

Nota de Redação: Uma notícia que mostra como há ainda muito trabalho a fazer no Porto, com um presidente da câmara a achar que matar 38% dos cães e 32% dos gatos que vão parar ao canil é excecional e que não se podem esterilizar animais por causa de uns imaginários defensores dos animais que são contra.

No ano passado, 62% dos cães e 68% dos gatos recolhidos pelo Canil Municipal do Porto foram adoptados. Uma taxa “excepcional” para o presidente da Câmara do Porto, Rui Moreira, mas que não significa que estes animais estão a salvo, já que parte deles volta a ser abandonado. O autarca diz que este é um dos problemas que a cidade está a tentar resolver.

O estado do canil e a forma como os animais abandonados serão tratados no Porto chegou à reunião do executivo camarário da passada terça-feira pela mão do vereador da CDU, Pedro Carvalho, que pela segunda vez em menos de um mês tentou ver aprovada uma recomendação sobre o “bem-estar animal”. O documento já fora apresentado na reunião de 24 de Março, mas seria retirado, depois de o vereador do Ambiente, Filipe Araújo, se comprometer a levar ao executivo um conjunto de informações sobre o “plano de controlo e bem-estar da população de cães e gatos” que o município tem em marcha. Continuar a ler

Pode ou não dormir com o seu cão ou o seu gato?

cao gatoObservador

Numa altura em que a taxa de natalidade continua a diminuir, muitas pessoas passaram a cuidar dos seus animais de estimação como se se tratassem de filhos. Daí o rol de negócios que nasceu em redor dos “pets”. Mas para outros, as relações de cumplicidade são antigas. E em ambos, as demonstrações de carinho são muito expressivas. Podem mesmo incluir o hábito de dormir com o cão ou o gato.

As opiniões sobre este hábito dividem-se: uns consideram uma prática descabida e pouco higiénica. Outros consideram ser uma simples prova de afeição. Para chegar a uma resposta definitiva, o Observador foi ouvir os especialistas. Continuar a ler

Crueldade animal será considerada “crime contra a sociedade” pelo FBI

caesPortal Veneza

A partir de 2016, as pessoas que cometerem atos de maus-tratos contra os animais serão agrupadas na mesma categoria dos assassinos nos Estados Unidos. O FBI anunciou esta semana que o abuso de animais receberá uma nova categorização, sendo tipificado como “crime contra a sociedade”.

Essa nova categorização provavelmente ajudará as leis a favor dos animais e será uma melhor forma de rastrear os crimes de crueldade animal, já que atualmente eles são colocados na categoria “outros”, dificultando o rastreamento.

Estudos mostram que crianças que torturam ou matam animais podem repetir essa violência contra as pessoas quando crescerem. Sendo assim, enquadrar os crimes contra animais no mesmo nível de assassinatos é uma forma de agir com mais rigor contra quem maltrata animais e, indiretamente, impedir que essa pessoa aja com violência contra algum ser humano. Continuar a ler

Cientistas usam simulações para evitar testes em animais

cobaiaExame

Impulsionada pela opinião pública e pelo desenvolvimento científico e tecnológico da toxicologia, que estuda os efeitos de substâncias químicas sobre os organismos, a busca por métodos alternativos aos testes de laboratório em animais já apresenta resultados: simulações de interações moleculares em computador e novas tecnologias para ensaios in vitro minimizam o uso de cobaias e apontam para um futuro livre de testes in vivo.

Esforços de instituições nacionais e estrangeiras nesse sentido foram apresentados no workshop Challenges and perspectives in research on alternatives to animal testing, realizado na FAPESP no dia 31 de março. Continuar a ler