Abutres subnutridos aproximam-se das pessoas em zonas urbanas no Alentejo

abutrePúblico

Tornou-se um fenómeno recorrente no interior alentejano, sobretudo nesta altura do ano, o aparecimento de grifos poisados em praças e ruas dos centros urbanos apresentando evidentes sinais de subnutrição. A primeira reacção das pessoas é de medo, dada a corpulência desta ave, que tem contra si um imaginário ligado à morte. Isto acontece desde que a legislação comunitária determinou, em 2003, a recolha dos cadáveres de animais como medida profiláctica contra a transmissão de doenças como a BSE ou a tuberculose animal.

O efeito desta decisão passou a afectar as populações das três espécies de abutres existentes em Portugal: o grifo (Gyps fulvus), o abutre-negro (Aegypius monachus) e o abutre-do-egipto (Neophron percnopterus), e de outras aves com hábitos necrófagos, nomeadamente a águia-imperial (Aquila heliaca adalberti).

Assim, e à medida que as regras sanitárias se foram tornando cada vez mais restritivas, obrigando a que as carcaças dos animais mortos fossem retiradas dos campos para serem eliminadas, criou-se um problema grave de escassez de alimento para estas aves selvagens protegidas, forçando-as a procurar alimento em zonas habitadas.

O exemplo mais recente aconteceu em Reguengos de Monsaraz. Militares do Núcleo de Protecção Ambiental (NPA) recuperaram no dia 7 de Dezembro um grifo que foi encontrado na Zona de Peixinhos, Vila Viçosa, “apresentando sinais de subnutrição, o que não lhe permitia voar”, adiantou ao PÚBLICO o capitão Ricardo Samouqueiro, oficial de Comunicação e Relações Públicas do comando de Évora da GNR.

A ave foi tratada, alimentada e entregue na delegação do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas no Parque Natural do Vale do Guadiana, em Mértola, para avaliação, recuperação e posterior devolução ao seu habitat natural.

Nos finais de Novembro, uma equipa do NPA de Montemor-o-Novo recolheu outro grifo também em estado de subnutrição. Foi enviado para o Centro de Recuperação de Aves de Santo André, no litoral alentejano.

Ricardo Samouqueiro confirma que os animais se “aproximam das pessoas porque têm fome”, mas não têm representado uma ameaça para a integridade física dos cidadãos, apesar da envergadura das suas asas, observa.

Dário Cardador, responsável pelo Centro de Recuperação de Animais Selvagens de Santo André, adiantou ao PÚBLICO que não se registou até agora “um número anormal de entradas de abutres” naquele centro, que ascendem, até agora, a apenas dois exemplares, um recolhido em Montemor-o-Novo e outro que tinha “pousado exausto e com fome em cima de uma bóia de pesca em pleno mar”, conta o dirigente da Quercus. O grifo foi visto pelos pescadores a cair ao mar, apanharam-no e levaram-no para o centro de recuperação onde neste momento estão três necrófagos.

Os sucessivos alertas lançados, nomeadamente pelas organizações ambientalistas, junto das autoridades da União Europeia, procurando sensibilizá-las para o impacto que estava a ter a escassez de alimentos para as espécies necrófagas, levaram a que a legislação fosse alterada em 2011. Os agricultores passavam a poder deixar de novo nos campos as carcaças dos animais mortos, mediante regras específicas, uma prática que estava proibida desde 2002, na sequência da doença das vacas loucas.

Contudo, a Estratégia Nacional de Conservação de Aves Necrófagas, que esteve em consulta pública no passado mês de Setembro, “continua na gaveta” salientou Samuel Infante, da Quercus, confirmando que a escassez de alimentos se “agudizou” em 2015, provocando uma concentração “anormal” de abutres nos três campos de alimentação que a organização ambientalista instalou no Tejo Internacional. “Só num dia contámos 270 animais provenientes até de Espanha e de uma área de 100 quilómetros em redor.”

O dirigente da Quercus diz que diariamente são recolhidos em Portugal cerca de 1000 cadáveres de animais, uma operação que custa ao erário público “mais de 26 milhões de euros para produzir farinhas e gordura destinada à produção de energia”.

A falta de alimento está a potenciar, nalguns pontos do interior do país, ataques das aves necrófagas a crias de bovinos acabadas de nascer. Os produtores, alarmados, “recorrem ao abate das aves ou ao seu envenenamento”, denuncia Samuel Infante.

No sul do país só existe um campo de alimentação para abutres, na herdade da Abóbada em Vila Verde de Ficalho, propriedade do Estado. Havia outro em Beja mas está desactivado.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s