Nutrição animal. Eles também são o que comem

caoI

Adequar a ração à idade e ao tipo de raça são truques para que o seu animal de estimação viva mais. Conheça outros.

Os animais de estimação ocupam um espaço cada vez maior nos lares portugueses, já aqui escrevemos recentemente. E deprimem quando os donos se ausentam por mais horas do que o costume. São tidos e sentidos como membros da família, por isso não é de estranhar que hoje existam cuidados com os animais domésticos de que não se falava há uns anos. A alimentação é um deles.

“Que o teu alimento seja o teu medicamento”, já dizia Hipócrates, pai da medicina. A premissa é também usada por Rita Silva, médica veterinária e especialista em nutrição animal a trabalhar atualmente na Royal Canin, uma das empresas da área especialista em alimentação de animais domésticos. “A alimentação dos cães e gatos – os animais de estimação preferidos dos portugueses – é a base de tratamentos de saúde e também a forma mais comum de prevenir doenças”, explica.

Portanto, há efetivamente doenças que se resolvem com cuidados alimentares “como a obesidade ou as alergias alimentares”. Em termos preventivos, os “animais comerem alimentos nutricionalmente equilibrados vai proporcionar-lhes mais defesas, uma boa pelagem, bem-estar e maior longevidade”, resume.

Donos mais preocupados Se é verdade que cada vez mais há donos conscientes de que os alimentos ingeridos pelo animal são essenciais para a saúde, também é verdade que ainda há muita gente a humanizar os animais.

“A essa confusão nós chamamos visão antropomórfica, ou seja, quando um dono acha que o melhor para o animal é comer o mesmo que os humanos.”
E há alguns alimentos que são mesmo proibidos. “A cebola e o chocolate não se podem mesmo dar, têm altos níveis de toxicidade. Mas as ditas ‘guloseimas’, que podem ser fiambre, queijo, pão com manteiga e por aí fora, podem resultar em situações de excesso de peso ou outras complicações. Por exemplo nos gatos, estas sobrecargas podem causar diabetes, doenças hepáticas e distúrbios digestivos. No caso dos cães podem dar-se situações de excesso de peso e diarreias. Os animais são muito mais sensíveis do que nós a alterações alimentares.”

Uma alimentação equilibrada e um estilo de vida ativo são, portanto, chaves para o bem-estar que servem tanto para donos como para os bichos.

Ao contrário de nós, o que faz um cão ou um gato escolher certos tipos de alimento é o olfato, e não o paladar. Enquanto nós temos 9 mil papilas gustativas, o cão tem 1700 e o gato apenas possui 500. Outra curiosidade: os gatos não têm preferência pelo sabor doce porque não o conseguem sentir.

Mas, como explica Rita, os animais sabem bem do que gostam, embora essa gosto lhes seja ditado pelo cheiro. “Quando um animal está com menos apetite, é através do olfato que devemos estimular o apetite. Por exemplo, aquecer ligeiramente a ração é um truque para que a comida se torne mais apetecível porque liberta mais odor.”

Por outro lado, os cães, os gatos e as respetivas raças ingerem a comida de diferentes formas e é necessário ter isso em conta. “Os gatos siameses usam os dentes para agarrar os croquetes da ração e comem muito depressa, ingerindo ar enquanto comem, o que não é benéfico. Também raças como os labradores aspiram verdadeiramente a comida, pelo que o formato da ração, além dos nutrientes, é importante.”

E se a forma dos croquetes pode ajudar na digestão dos bichos, os nutrientes que comem é a chave para uma vida longa e saudável. “A ração deve ser adequada à idade do animal. Sabemos, por exemplo, que os cães que entram na fase geriátrica (aproximadamente a meio da vida) devem consumir triptofano, um aminoácido conhecido por causar bem-estar”, explica a especialista.

Ração seca ou húmida? Para Rita Silva, muitos donos sentem ainda alguns tabus em relação às rações húmidas, por serem consideradas mais calóricas. “Isto não é verdade, visto que as rações húmidas são pensadas de forma a satisfazer as necessidades daquela refeição, nem mais nem menos. E em alguns casos – por exemplo nos gatos, que têm maior tendência a desenvolver doenças renais – dar uma ração húmida, com 80% de água, ajuda à diluição da urina. Por outro lado, quando os animais estão com problemas gengivais, a ração seca pode causar dor, pelo que esta é uma opção válida. Além disso, quando precisamos de forçar a alimentação também poderá ser mais fácil com este tipo de ração, visto que exala um odor mais forte.”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s