Os animais podem ter sentimentos mais complexos que os humanos, diz pesquisador

macaco a pensarGalileu

Se você convive com um bichinho de estimação, sabe que, de alguma forma, eles percebem quando os humanos estão tristes ou felizes. Mas esse tipo de comportamento não se restringe aos gatos e cachorros: estudos mostram que os cavalos conseguem entender algumas emoções dos humanos e que os corvos conseguem “ler os pensamentos” de outros animais da espécie – coisa que até então se acreditava que só os humanos eram capazes de fazer.

Essa crença fez com que a pesquisa relacionada aos sentimentos dos animais ficasse estagnada. Ao supor que determinadas emoções eram restritas aos humanos, os cientistas deixaram de fazer perguntas (e, consequentemente, pesquisas) relevantes sobre como são os sentimentos no mundo animal.

Carl Safina, professor da Universidade de Stony Brook, nos Estados Unidos, foi contra a corrente e começou a levantar questionamentos sobre o assunto. As perguntas o levaram a realizar uma pesquisa que, por sua vez, resultou no livro Beyond Words: What Animals Think and Feel, lançado em julho de 2015.

Acho importante sabermos com quem estamos na Terra. Nós discutimos a conservação de animais em números, mas eles não são só números”, disse o pesquisador em entrevista à National Geographic. “Tenho observado animais durante toda a minha vida e sempre fico impressionado com as semelhanças entre eles e os humanos.”

O professor acredita que o debate em relação à possibilidade de os animais terem sentimentos ou não nem deveria existir. “Se você observar mamíferos ou até mesmo aves, verá como eles respondem ao mundo. Eles brincam. Eles ficam com medo quando estão em perigo, relaxam quando as coisas estão bem”, diz. “Não parece lógico pensar que os animais não estejam experenciando emoções como o medo e a o amor.”

Quando os elefantes asiáticos veem outro animal da espécie bem agitado, tendem a tocá-lo até ficar mais tranquilo. “É uma espécie de ‘shh, está tudo bem’, muito parecido com o que os humanos adultos fariam para tranquilizar um bebê”, explica o cientista Joshua Plotnik em entrevista ao Discovery.

Existem estudos que conseguiram confirmar, por meio do teste do espelho, a capacidade de algumas espécies de reconhecerem a si mesmos. Trata-se de um experimento bastante utilizado por cientistas em que os animais são colocados em frente a um espelho. Para “passar” no teste, os animais têm que ficar envolvidos com seus próprios reflexos, examinando a imagem de seus corpos, o que indica que reconheceram suas representações. Animais como macacos e golfinhos estão entre os que passaram na experiência.

Safina aponta ainda que pesquisadores que passam bastante tempo em campo conseguem perceber traços de personalidade nos animais que estão estudando. Assim como os humanos, os animais têm personalidades diferentes. De acordo com o professor, alguns são tímidos, outros agressivos ou tranquilos.

Pode também haver uma leva de emoções que ocorrem com os animais e não com os humanos“, disse Safine em entrevista ao Science of Us. Faria sentido se tais sentimentos fossem ainda mais complexos que os dos humanos. Afinal, como disse o pesquisador, não estamos sozinhos na Terra, não é mesmo?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s