Marés Vivas vai processar movimento cívico SOS Estuário Leia mais: Marés Vivas vai processar movimento cívico SOS Estuário

estuario do douroJN

A promotora do festival Marés Vivas, marcado para Gaia, admitiu esta quinta-feira que irá avançar judicialmente contra o movimento cívico SOS Estuário do Douro pela “chantagem e ameaça de boicotar” o evento.

“Isto é um ato de terrorismo. A PEV [promotora] recebeu um parecer do Ministério do Ambiente, após estudos feitos por entidades conhecedoras destas questões”, afirmou à Lusa Jorge Lopes, da empresa.

O responsável reagiu desta forma ao comunicado divulgado sobre a criação do Movimento Cívico SOS Estuário do Douro, no qual é feito um apelo aos artistas que se “recusem a atuar” no festival e se pede aos patrocinadores e espetadores que “não contribuam para mais este atentado ambiental”. Continuar a ler

Extinção de animais pode agravar efeitos das mudanças climáticas

ratoUOL

Como se a extinção de animais já não fosse ruim o suficiente, o fim dos bichos que se alimentam sobretudo de frutos, chamados de frugívoros, também comprometerá a capacidade das florestas tropicais de absorver o dióxido de carbono (CO2) da atmosfera.

A diminuição da absorção de CO2 preocupa os cientistas, uma vez que o excesso do gás na atmosfera é um dos responsáveis pela aceleração das mudanças climáticas em nosso planeta.

O que acontece, segundo os cientistas, é que os animais frugívoros são os responsáveis por dispersar sementes de frutos grandes pelas florestas. Com sua extinção, a dispersão deixará de acontecer e as árvores não irão crescer em diferentes áreas, afetando o potencial da floresta no combate as alterações climáticas. Continuar a ler

Urso polar terá morrido de fome devido ao degelo no Ártico

urso polarPúblico

Os cientistas acreditam que o urso polar de 16 anos encontrado morto, em Julho, no Norte do arquipélago norueguês de Svalbard, em pleno oceano Ártico, foi vítima do aquecimento global. O animal terá morrido de fome, devido ao desaparecimento dos bancos de gelo naquela zona, onde a espécie costuma caçar focas para se alimentar.

“Tendo em conta a sua posição deitada, parece que simplesmente o urso estava esfomeado e morreu no sítio onde caiu”, afirma Ian Stirling, que tem estudado os ursos polares nos últimos 40 anos, citado pelo Guardian. Stirling examinou o cadáver do animal e concluiu que este não tinha qualquer sinal de gordura corporal e estava reduzido a “pouco mais do que pele e osso”. Continuar a ler

Mudança climática deve reduzir variedade de plantas e animais

biodiversidadeTerra

A metade das espécies comuns de plantas e animais pode sofrer um declínio significativo em seu habitat por conta das mudanças climáticas nas próximas décadas, adverte um estudo divulgado neste domingo e publicado no periódico Nature Climate Change.

Segundo a pesquisa, a biodiversidade ao redor do mundo sofrerá duramente se as temperaturas subirem acima de 2ºC. E os principais efeitos devem ser sentidos na Amazônia, na África Subsaariana, na América Central e na Austrália. Continuar a ler

Expedição descobre espécies mediterrânicas nas Berlengas

Público

A expedição para conhecer a fauna e a flora subaquáticas das Ilhas Berlengas já observou 50 novas espécies, a juntar-se às cerca de 400 já conhecidas. A missão, que acaba no final do mês, diz que a biodiversidade está cada vez mais mediterrânica.

A expedição já realizou mais de 20 mergulhos a 30 metros de profundidade. Desde o início, já foram observadas 50 novas espécies nas Berlengas a juntar-se às cerca de 400 já conhecidas, nomeadamente briozoários (animais que parecem plantas), um coral, um peixe, algas e poliquetas (semelhantes a vermes). Continuar a ler