Brasil: Vereador quer trocar touro por ser humano

rodeioDiário Web

Um projeto de lei protocolado na Câmara de Mirassol propõe a substituição de animais em rodeios no município por “seres humanos” ou “touro mecânico”. A proposta é assinada pelo vereador André Luiz Guirado (PHS) e promete gerar polêmica na cidade. O parlamentar afirmou que apresentou o projeto com o objetivo de “chocar as pessoas e fomentar o debate sobre a realização de rodeios em Mirassol”.

De acordo com o artigo 4º da proposta, protocolada no dia 20 de janeiro, em eventos como touradas, prova do laço, montaria e pega do garrote “poderá ser substituído o uso do animal por touro mecânico ou ser humano”. Para o vereador, o uso do equipamento para apertar a virilha de touros, cavalos e éguas – conhecido como sedém – durante os rodeios pode caracterizar maus-tratos.

“Tudo isso é para chamar a atenção para um esporte de violência animal. É óbvio que ninguém vai montar em um touro mecânico ou em um ser humano”, afirmou vereador do PHS. Segundo ele, o ser humano – se fizesse as vezes do animal – teria condições de dizer se o animal sofre ou não ao ser amarrado com o sédem.

O projeto de lei será analisado pelos vereadores de Mirassol nas próximas sessões. Antes, porém, a proposta poderá passar por alterações com a apresentação de emendas. Guirado admite que terá dificuldade para manter no projeto o artigo que prevê a substituição de touro por pessoas, como propõe no projeto original. “Provavelmente não será aprovado. Não sei qual é a repercussão porque a Câmara está em recesso”, disse.

Em um dos argumentos para manter a proposta, ele cita que outras cidades, como de Araraquara, já proibiu a realização de rodeios. Outros municípios também aprovaram proibições semelhantes, que tem a simpatia das associações de proteção dos animais. Na região, são realizados os mais tradicionais eventos do País, como em Barretos – um dos maiores do mundo – que é realizado todos os anos em meados de agosto. Em Rio Preto, a Prefeitura apoia a realização do evento Rodeo Country Bulls, organizado pela Companhia Paulo Emílio.

Castigo

Além do sédem, o vereador de Mirassol afirmou que os animais seriam submetidos a outros tipo de castigos, como choques. O projeto de lei de Guirado prevê o pagamento de multa diária no valor de R0$ 100 mil pelo uso do sedém – equipamento que seria usado para que os animais fiquem agitados e pulem. Na justifica da sua proposta, o parlamentar afirma que os “animais sofrem na mesma proporção de um ser humano”.

“Além da dor, a prática de eventos e esportes que utilizam de ferramentas para divertimento do ser humano não se justifica”, consta na justificativa do projeto. O Diário tentou falar ontem com o presidente da Câmara, Daniel Sotto (PMDB), para saber a data prevista para a votação do projeto, mas ele não foi localizado . Continuar a ler

Anúncios

ONG australiana reacende a luta pelo fim dos rodeios

rodeioANDA

Por Patrícia Tai

A Animals Australia, uma organização de proteção animal, tem diligentemente investigado rodeios em todo o continente australiano e conta ter testemunhado “inúmeros animais assustados, angustiados, e postos em grave risco de lesão ou morte”. De acordo com a organização sem fins lucrativos, um exemplo ocorreu recentemente quando um touro quebrou a perna enquanto era assediado pelo cavaleiro em suas costas. As informações são da Global Animal.

Em 26 de dezembro, no Rodeio de Myrtleford Golden Spurs, um touro nomeado ‘Madness’ sofreu uma fratura exposta em seu joelho debilitado. O inocente animal tropeçou em volta da arena em agonia até ser retirado com um lençol azul e sacrificado imediatamente. Continuar a ler